Joana Raquel & Miguel Meirinhos. DR
- publicidade -

O Festival Porta-Jazz regressa de 4 a 6 de Fevereiro com uma edição especial que vai ocupar o Rivoli no seu todo, proporcionando ao público uma visão mais livre, transversal e diversa.

Ao longo de três dias, esta 12.ª edição propõe 17 concertos com mais de 80 músicos, nacionais e internacionais. Uma mostra multidimensional no espaço modularmente expansível e intercomunicante que será palco do lançamento do novo álbum de Manuel Linhares, “Suspenso”, e de “Ninhos” que marca a estreia de Joana Raquel com Miguel Meirinhos, ambos com o selo do Carimbo Porta-Jazz. Serão também apresentados os álbuns “A Tribo”, do coletivo Coreto; “D”, dos Puzzle 3 que junta Pedro Neves, João Paulo Rosado e Miguel Sampaio; “Otro Cielo”, de Demian Cabaud; “WIZ”, do trio com o mesmo nome composto por José Pedro Coelho, Wilfried Wilde e Iago Fernández, e “Dança dos Desastrados” de Miguel Ângelo.

Coreto. créditos: Adriana Melo

Pela primeira vez no festival, o multi-instrumentista, cantor, compositor e produtor musical brasileiro António Loureiro que toca dois colossos da guitarra, Kurt Rosenwinkel, e Pedro Martins, e com o baterista Obed Calvaire. No encerramento da 12.ª edição do Porta-Jazz vai apresentar “Conexão” que resulta de uma residência com André Fernandes (guitarra), João Mortágua (saxofone), Gil Silva (trombone), José Carlos Barbosa (contrabaixo) e Diogo Alexandre (bateria).

Haverá ainda lugar a uma residência artística com músicos das associações Robalo e Porta-Jazz (Portugal, Lisboa e Porto) e da AMR (Suíça, Genebra) cujo trabalho será estreado no decorrer do festival.

Manel Linhares. créditos: Daryan Dornelles

Continua a parceria com o festival Austríaco Bezau Beatz, que traz ao Porto o projeto “Nest” liderado por Alfred Vogel e que conta com o virtuoso violinista francês Theo Ceccaldi; e no final de cada noite realizam-se as tradicionais jam sessions com ensembles das escolas ESMAE, Jobra e Conservatório de Música do Porto.

Destaque ainda para a estreia de uma encomenda feita ao saxofonista Daniel Sousa, radicado em Copenhaga, que vai apresentar o resultado deste desafio com a cantora Susana Nunes, Wanja Slavin (saxofone alto e flauta transversal), PJ Fossum (sintetizadores), José Diogo Martins (piano), Carlos Borges (baixista) e Eduardo Dias (bateria).

E para o cruzamento em palco da música com a pintura, em tempo real, no concerto desenhado “Sombras da Imperfeição“, um projeto do pianista Hugo Raro com o artista plástico Jas, estreado no Guimarães Jazz 2020.

Palco de revelações, o Porta-Jazz dará a conhecer o projeto que junta a cantora Vera Morais ao saxofonista português de ascendência búlgara Hristo Goleminov. Ambos residem em Amsterdão e lá desenvolveram, durante o confinamento, este duo que coabita com a improvisação, onde se constroem e se desconstroem as palavras e os sons.

Os bilhetes para o festival vão estar à venda nos próximos dias, nas bilheteiras do Teatro Municipal do Porto (Rivoli e Campo Alegre) e on-line. A programação completa pode ser consultada em https://portajazz.com/fp e está dividida por blocos, cada um dos sete blocos tem um bilhete único no valor de 7 euros. Os membros da Associação Porta-Jazz têm 50% de desconto.

- publicidade -