Luigi Pirandello, um dos criadores teatrais italianos (siciliano, mais particularmente) cuja abordagem foi um balão de oxigénio para a arte de estar em cena, é evocado por Simão Do Vale Africano num triângulo de sugestões que assumem a forma de um ‘3 em 1’ intitulado Trattoria Pirandello. Assim, O Homem com a Flor na Boca + Sonho (ou talvez não) + Cecè podem ser vistos até ao dia 25 de Novembro no Teatro Carlos Alberto, no Porto.

©Susana Neves

O Global News assistiu a um dos ensaios e conversou com o encenador e actor, que passou uma temporada alongada em território transalpino e aproveitou para estudar a obra de Pirandello e de outros dramaturgos. “O menu desta tripla escolha das obras não possui nada de mais complexo que o único facto de serem boas” começa por dizer, de forma descontraída, Simão Do Vale Africano. E reforça a ideia inicial e simples: “São três peças fantásticas, pequenos tratados, pequenos estilos sem nenhuma pretensão política”, acrescenta.

A vida em si mesma, com os seus circunstancialismos e constrangimentos, com a sua dose de encanto e também de desconcertante estão em palco através de “O Homem com a Flor na Boca”, que nos remete para um diálogo e uma consequente introspecção poética da condição humana feita à mesa de um café: a história de um homem que se diz desprovido de prazer e por isso se dispõe e dedica a contemplar a vida dos outros.

Sonho (ou talvez não) conduz-nos à consciência de uma mulher no devir de um conflito amoroso: um momento em que as interrogações e o questionamento da personagem feminina estão em plena conformidade com uma aposta cenográfica de estética apurada no domínio dos sonhos.

©Susana Neves

Cecè, por seu turno, é um daqueles episódios que convoca a temática do compadrio e da corrupção, temas de uma profunda actualidade, com sátira à mistura e humor subtil, um dos apanágios da obra de Pirandello.

Percebe-se, através de um simples ensaio, que o desafio de Simão Do Vale Africano para além do de ser encenador, actor e tradutor neste vértice cénico e dramatúrgico, seja a forma de trabalhar as cenas com os intérpretes. “O que mais me fascina na obra de Pirandello é a construção dos personagens.” E sim, concordamos que isso se percebe “nos treinos”, resta ao espectador apreciar o resultado final quando “o jogo” vai para o palco.

Ficha Técnica

O Homem com a Flor na Boca + Sonho (ou talvez não) + Cecè de Luigi Pirandello

Encenação e tradução Simão Do Vale Africano

Cenografia Bruno Capucho

Figurinos – Bernardo Monteiro

Desenho de som e sonoplastia – Joel Azevedo

Desenho de luz – Rui M Simão

Assistência de encenação – Diogo Freitas Interpretação – Joana Africano, Jorge Mota, Simão Do Vale Africano coprodução Subcutâneo, TNSJ

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments