Senhor de Matosinhos: 840 mil pessoas esperadas nos primeiros cinco dias

Primeira edição do Congresso Internacional do Senhor de Matosinhos é a grande novidade do programa das festas e incluirá o lançamento da terceira edição do livro que Joel Cleto dedicou à celebração.

As autoridades policiais e de proteção civil estimam que os 200 mil metros quadrados do recinto das Festas do Senhor de Matosinhos acolham cerca de 840 mil pessoas entre a noite de sexta-feira, 7 de junho, e o fim de terça-feira, 11 de junho, dia do feriado municipal dedicado ao Bom Jesus de Matosinhos. A previsão consta do Plano de Coordenação de Segurança preparado para aquela que é uma das maiores romarias do norte do país, com mais de seis séculos de história.

A programação do grande fim-de-semana do Senhor de Matosinhos inclui o grande espetáculo pirotécnico de sábado à noite, a procissão solene, os concertos de Blaya e dos GNR (acompanhados pela Banda de Matosinhos-Leça), a eucaristia presidida pelo bispo do Porto e o tradicional Fogo de Bonecos, tendo como ponto alto, e principal novidade, a primeira edição do Congresso Internacional do Senhor de Matosinhos, que decorrerá nos Paços do Concelho, entre os dias 11 e 13 de junho.

Concebido para celebrar a dispersão do culto do Senhor de Matosinhos, o congresso contará com a participação de especialistas portugueses, espanhóis, peruanos e brasileiros, estes vindos nomeadamente do estado de Minas Gerais, onde existe um grande número de templos dedicados ao Bom Jesus de Matosinhos. O encontro tratará não só destes cultos tributários – em Congonhas do Campo o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos está mesmo classificado como Património Mundial –, mas também de lendas semelhantes à de Matosinhos, como a do Santo Cristo de Ourense.

No âmbito do congresso será ainda apresentada a terceira edição (revista e aumentada) do livro “Senhor de Matosinhos. Lenda. História. Património”, do historiador Joel Cleto. A obra conta agora com um texto do arquiteto Álvaro Siza Vieira, narrando a sua passagem, na década de 1950, pela comissão de festas do Senhor de Matosinhos, e com um desenho original da sua autoria, produzido para o cartaz da romaria, mas então recusado. A capa do livro contará também com um desenho original do arquiteto (em anexo)

“Sendo, como afirmou o historiador José Hermano Saraiva a propósito da primeira edição, “um livro que ensina tudo o que se pode saber sobre o Senhor de Matosinhos”, este volume é, porém, muito mais do que isso – é o espelho em que podemos rever-nos e que nos ajuda a compreender o que somos e o que fomos, mas também o trajeto de fé que transformou o Bom Jesus de Matosinhos em objeto de devoção em terras tão distantes (e recônditas) como Congonhas do Campo, Conceição do Mato Dentro, São Miguel do Piracicaba, São João del-Rei, Santo Antônio do Pirapetinga, Jaboatão dos Guararapes ou Terra Nova (onde o Bom Jesus de Bouças se transformou em Bom Jesus de Bolsas)”, escreveu a presidente da Câmara Municipal de Matosinhos no texto que serve de preâmbulo a esta terceira edição.

O Congresso Internacional do Senhor de Matosinhos deverá, refira-se, passar a realizar-se alternadamente em Portugal e no Brasil, procurando valorizar o património e a fé disseminados pela Diáspora portuguesa e dar corpo a um grande movimento transatlântico de preservação da história e da devoção comum ao Bom Jesus de Bouças.

Veja o programa completo aqui

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments