Pinto da Costa. DR

Foi na noite desta sábado festivo que Jorge Nuno Pinto da Costa recebeu a Medalha de Honra da Cidade, nos Paços do Concelho. Pinto da Costa distribuiu agradecimentos e sublinhou o regresso do clube aos paços do concelho, depois de 19 anos de interregno.

“É uma feliz coincidência ter recebido esta medalha no momento em que após 19 anos voltámos a ser recebidos nos paços do concelho. 19 anos foi muito tempo, não só nos anos em que não vencemos, mas também nos que encontrámos as portas fechadas. Hoje, como em 1999, temos um homem [Rui Moreira] que não só gosta do FC Porto, mas que além disso ama a cidade do Porto, como naturalmente amam o nosso presidente, vereadores, Assembleia Municipal. Evidentemente, tem que abrir as portas a quem eleva o nome da cidade do Porto por todo o Mundo. As nossas cores são azuis e brancas, pois o nosso fundador quis que tivéssemos as cores da bandeira nacional. Conseguimos transformar a onda azul pela mão do Sérgio Conceição num mar azul, que nos levou aos maiores sucessos esta época”, afirmou Pinto da Costa.

E continuou, “a todos um abraço de muita consideração. As minhas primeiras palavras serão para si, senhor presidente, para dizer que recebi com emoção pela boca da minha filha a sua intenção de me atribuir esta medalha. Dizer que estou muito feliz, porque como sabe amo o Porto desde os primeiros momentos da minha vida. Saber que não houve uma única abstenção faz-me envolver num grande abraço todos aqueles que estão ao serviço da cidade do Porto, seja na vereação ou na câmara municipal. Continuem a trabalhar pelo Porto. Também me enche de grande emoção, saudade e alegria o momento que estamos aqui a viver. Faz-me lembrar todos aqueles que durante estes 36 anos na presidência do FC Porto me ajudaram a construir aquilo que conseguimos ir fazendo. E aos que não estão aqui porque já não estão no meio de nós, quero evocar na pessoa do Armando Pimentel, que serviu o FC Porto e esta casa como vereador”.

No final do seu discurso, Pinto da Costa citou um poema de Pedro Homem de Melo.