publicidade

Patrick Watson voltou à Casa da Música, onde já tinha apresentado, no dia 29 de Novembro de 2015, o extraordinário “Love Songs For Robots” num concerto memorável.

Acompanhado da sua irrepreensível banda, Watson encheu a alma e o coração de uma Casa da Música que se apresentou de lotação praticamente esgotada para o aplaudir. À semelhança do que sucedeu em 2015, até os lugares do coro (na parte de trás do palco) foram abertos ao público, para estender a capacidade da sala.

Sem novo trabalho ainda editado, o álbum de Maio de 2015 voltou a ser o centro do espectáculo.

O primeiro bloco de canções começou com “Love Songs for Robots” e acabou com uma espectacular performance de “Turn Into The Noise” que foi o tema perfeito para fechar a parte principal da actuação, provocando a ovação que traria os músicos uma vez mais ao palco. Pelo meio ficaram, ainda de “Love Songs For Robots”: “Places You Will Go”, “Hearts”, “Bollywood” e “Grace”; do álbum “Close to Paradise”, os temas “Slip Into Your Skin” e “Drifters”; “Adventures in Your Own Backyard” do álbum homónimo e quatro músicas pós-2015: os singles “Broken” e “Melody Noir”, editados em 2017 e 2018, respectivamente, e dois temas ainda anónimos.

A actuação esteve sempre no auge da perfeição e Watson, como é seu hábito, foi interagindo com o público gerando um magnetismo empático que fez sentir que a sala era um todo, sem clivagem entre músicos e auditório.

No decurso do inevitável Encore, logo a seguir a “Into Giants”, Watson deu a escolher entre “The Great Escape”, “Lighthouse” e “To Build A Home”. Avidamente, o público pediu que interpretasse as três músicas, obrigando o músico a fazer a escolha. Apesar de ter principiado a tocar “Lighthouse”, afirmou que sentia “To Build A Home” como sendo a opção certa e, sozinho em palco, embalou o auditório com a interpretação deste tema editado no álbum “Ma Fleur”, do colectivo inglês The Cinematic Orchestra, com quem o músico colaborou.

Novamente com toda a banda em palco, finalizou o espectáculo com outro tema inédito.

A primeira parte ficou a cargo de Ariel Engle, também ela integrante da banda de Patrick Watson.

O público presente assistiu, seguramente, a um dos melhores concertos de 2018. O Natal chegou mais cedo ao Porto.

Texto e fotos de Sérgio Rodrigues.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments