- publicidade -

Já muito se escreveu sobre escravatura e comercio de escravos, mas nunca antes fora feita uma publicação com tantos detalhes deste comércio antigo, rentável e muito florescente à época (séc. XV).  Assim, faltava falar de tudo aquilo por que passavam estes “capturados”. A travessia do Atlântico até Lagos e  Lisboa, que era feita em condições deploráveis, os abusos, os maus-tratos e a veda propriamente dita. E depois a revenda dos que sobravam e seguiam viagem para Espanha ou Europa do Norte. Homens, mulheres e crianças que eram arrancados ás sua terras e depois colocados em ambiente estranho e hostil para desempenharem todo o tipo de tarefas.

Baseado numa pesquisa exaustiva, o autor” analisa em detalhe, os fabulosos lucros deste comércio e algumas das principais famílias portuguesas envolvidas neste rentável negócio, que teve um papel fundamental no arranque económico do velho continente”.

O historiador Arlindo Manuel Caldeira traça neste livro um retrato abrangente da escravatura durante o império português, da sua origem até à sua abolição.

“Apesar do primeiro decreto de abolição da escravatura ter a data de 1761, só em 1896 é que, de forma efetiva, a Coroa portuguesa proclamou a abolição da escravatura em todo o império português. Para a História fica o poder dos números: entre 1450 e 1900 cerca de 11 300 000 indivíduos foram traficados no lucrativo comércio de escravos do Atlântico”.

SJ

 

 

Escravos e Traficantes

Arlindo Manuel Caldeira

Esfera dos Livros

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments

- publicidade -